Sentimentos são.... fáceis de mudar! 
Mesmo entre quem não vê que alguém...
Pode ser seu par

Ah! A nostalgia ♥ e todas as coisas maravilhosas que essa musica me remete desde a infância e me acompanhou até a adolescência. Sinto-me saudosista em apenas cantarolar essa canção, sendo assim, vocês podem ter uma ideia de como fiquei feliz e até mesmo ansiosa com live action que foi lançado na semana passada. 

Infelizmente, não consegui assistir o filme legendado - detesto filme dublado, digam o que quiserem sobre isso, mas entendam que quando você cresce ao lado de alguém com deficiência auditiva grave ou moderada, como foi o meu caso, ver um filme dublado é quase uma agressão aos meus ouvidos. Entretanto, não tive alternativa, eu realmente queria muito ver o filme e ontem consegui matar a minha curiosidade.

Não vou dizer que o filme é ruim, nem vou dizer que esperava mais, mas vou dizer o que faltou ao meu ver para que o filme fosse excepcional. Eu nunca fui uma garota chegada a contos de fadas, vocês sabem disso das resenhas de releituras que fiz sobre alguns e sabem que tenho birras com alguns deles. 

Fala, galerinha! Tudo certinho?

Quem viu a minha resenha sobre o livro O Diário de Bridget Jones (aqui), sabe o quão decepcionada fiquei com a personagem em si e como achei cansativas determinadas coisas e situações que ela acaba vivendo durante a leitura. Não esperava muita coisa, até porque, até então, nunca havia tido interesse em ver os filmes, mas estava disposta a dar boas risadas, todo mundo sempre falou maravilhas do filme - porque não ler os livros antes, eles são sempre melhores,certo? Errado, e essa é a resposta correta para essa questão.

Como sou brasileira e não desisto nunca, mesmo tendo sofrido horrores com a leitura do livro, decidi buscar o filme para assistir na hora do almoço no trabalho e cá estou para informar, que esse é um dos raros casos onde o filme é muito melhor que o livro. E quando digo muito, é muito mesmo. Vou explicar vamos lá...

 Fala galerinha! Tudo belezinha?

Como foi a virada de ano para vocês? Muitos livros? Séries? Filmes? Pra mim a virada foi nessa vibe, decidi passar a virada do ano assistindo filmes e decidi pegar os filmes que queria ter ido ao cinema assistir, mas que infelizmente, não consegui. 

O primeiro da lista foi Batman vs Superman, quem me acompanha há algum tempo, sabe que não sou grande fã da DC, muito menos do Superman, mas desde que assisti Homem de Aço decidi dar uma chance aos personagens e a franquia.

Fala galerinha! Tudo certinho?

Depois de tantos anos sem Harry Potter nas telonas acredito que este seja o filme mais esperado do ano  pelos potterheads. Eu como boa e velha fã da J.K., estava louca para conferir que tinha tudo para dar certo e deu. Claro, que como sempre estou fazendo essa postagem com atraso, ela devia ter ido ao ar na quinta-feira passada, mas fiquei com preguiça... rs... me julguem! E vamos lá...
 
Quem está ligado nas novidades sobre o filme já sabe que teremos aí uma sequência de mais quatro filmes, totalizando 5 filmes dessa nova franquia. Então, se você está esperando a épica luta entre Grindelwald e Dumbledor, acho que vai rolar sim, principalmente depois do desfecho de Animais Fantásticos. Se você está por fora tem um milhão de sites explodindo de informações sobre tudo, divirta-se no amigo Google pesquisando, não vou dar informação nenhuma além das minhas impressões sobre o filme.

Olá, meus amores!! Tudo lindinho?

Então, semana passada eu apareci na coluna de filmes aqui do blog para falar um pouco sobre Star Trek 3 e acabei falando que estava meio com preguiça de ver filmes, séries e etc. Essa semana lendo uma reportagem, que eu não me recordo onde vi, descobri que nosso cinema é o terceiro mais caro do mundo... isso mesmo o terceiro mais caro! (absurdo!)
 
Ir ao cinema para mim já é bem difícil por conta da preguiça e toda a logística que preciso fazer durante a semana, então quando tenho de pagar 27,00 desisto sim, prefiro ficar em casa... porque acho um absurdo, principalmente na minha cidade, onde as salas são desconfortáveis (sério, minha bunda não entra no vão entre os braços da cadeira e nem sou tão gorda ao ponto de precisar da cadeira dupla), o 3D uma porcaria e o atendimento péssimo, ter de pagar tão caro por isso não vale o esforço. Então espero sempre as promoções e foi por esse motivo que essa que vos fala, um tanto quanto revoltada, foi no domingo passado assistir Dr. Estranho e já garantiu ingressos para o dia 20/11 ir assistir Animais Fantásticos e onde Habitam

 Olá, amores! Tudo certinho?

Faz um bom tempo que não venho falar de filmes aqui com vocês não é mesmo? Sei que tenho pecado um pouco nisso e com as séries também, mas estou totalmente morta de preguiça de ligar o computador para ver filmes e séries ultimamente. Achei que o problema fosse o computador comprei vários filmes que queria ver na Americanas e nada também. Ir ao cinema então, nem se fala, além de estar exorbitantemente caro o 3D na minha cidade está uma merda e por mais que eu tenha adorado ver Star Trek, fiquei com muita raiva pelo 3D ter deixado o filme inteiro muito escuro. Sério, se tive 2D eu teria visto nesse formato, estava muito ruim mesmo.
 
Bem, vamos ao filme... Eu o vi na semana de estreia. Setembro foi meu mês de férias, portanto é por essa razão que não vim logo em seguida comentar um pouco do filme para vocês. Como estava de folga acabei reduzindo as postagens do blog, então é por isso que venho tããããooo tarde comentar com vocês a experiência maravilhosa que tive com esse filme ♥. Que quem já me conhece há mais tempo, sabe que amo de paixão e muito mais que Star Wars...  

 Olá, queridos!! Tudo firmeza?

Hoje é dia de falar de filme aqui no blog e o filme escolhido foi Simplesmente Acontece, baseado no livro de mesmo título da autora Cecelia Ahern, publicado pela Novo Conceito aqui no Brasil. 

Eu criei uma sistemática esse ano que consiste em ver filmes baseados em livros da seguinte forma: - se eu tenho muita vontade de ler o livro, não vejo o filme antes de ler. - Se o livro não me chama muito a atenção, então eu vejo o filme pra ver o que eu possa estar perdendo, se eu gostar vou lá e compro o livro para complementar minha experiência.

 Olá, amorecos!! Tudo belezinha??

E a dica de filme dessa semana tinha de ser de época e tinha de ser baseado em um livro clássico. Embarcando no bicentenário de Charlote Brönte (aqui), decidi conhecer a tão falada obra Jane Eyre. Como passei a ultima semana de cama adoentada, não estava conseguindo ler nada (só conseguia dormir), então quando dei uma melhoradinha peguei o computador e fui caçar algo leve para assistir e escolhi a versão de 2011 da BBC da obra clássica Jane Eyre (mentira, foi a que eu achei mesmo.... rsrs).

Logo no inicio do filme já notei que é algo bem característico das irmãs Brönte, ambientar suas obras em terrenos sombrios com pitadas de mistério. Li e assisti O Morro dos Ventos Uivantes (que eu amo, diga-se de passagem Heathcliff), da Emily há alguns anos atrás e notei essas pequenas semelhanças. Sabendo um pouco sobre como Charlotte, Emily e Anne viram a morte passar sobre sua família e a sucessão de colégios aos quais foram encaminhadas, dá para ter uma ideia sobre o porque de toda essa sombra relatada em seus livros, até mesmo o isolamento característico que suas personagens acabam vivendo, está relacionada ao fato de que suas autoras não tinham uma vida agitada na sociedade da época.

Fala amorecos!!! Tudo certinho??
Final de semana passado fui ao cinema. A ideia inicial era ir ver Batman x Superman, mas como diz o velho ditado: "se quer bem feito faça você mesmo"; acabei pedindo a minha mãe para passar no shopping e ver quanto custava a entrada e ela acabou trazendo para casa entradas para Casamento Grego 2, que era a minha segunda opção para ir ao cinema.
Não foi dessa vez que fui ver o homem mais sexy do mundo vestido na roupa mais ridícula do universo nas telonas, mas garanto que Casamento Grego cumpriu todas as minhas expectativas. Desde que vi o primeiro filme, simplesmente me encantei, ri horrores e chorei de tanto rir dessa comédia deliciosa e extremamente louca.

Casamento Grego 2 não deixou por menos, foi tão engraçado e louco quanto o primeiro filme. Com tantas questões a se pensar quanto o filme anterior e tão divertido quanto. Romance não é o foco desse segundo filme que trata sobre relação marido e mulher pós-filhos e filhos se desgarrando dos pais que tem de aceitar que é hora do filho sair do ninho. Não obstante, temos a boa e velha família louca, nos divertindo e claro, nos ensinando que por mais louca que uma família possa ser, todos são os elos de uma única corrente e estão sempre prontos para se ajudar. (isso para famílias unidas, claro)


Fala galerinha!!! Tudo certinho??

Eu gosto de vir às quintas indicar filmes para vocês, a ideia era vir toda quinta deixar uma dica legal, mas às vezes eu esqueço aí... phodeuuu! Porque eu prefiro a quinta? Porque assim vocês já podem ir preparando aquela maratona legal de filmes pro final de semana com um tempinho extra para não surtar... rsrs... 

Eu também tenho resenha nova para por no ar, mas na correria do curso, mais trabalho e por ser ultimo dia do mês preferi nem postar ainda para não atrapalhar os comentaristas que participam do Top aqui do blog... rsrs... então lá para semana que vem teremos mais resenhas!! Esse mês rendeu muito pra mim, estou até espantada, mas foi uma correria insana e algumas coisas ficaram sem a devida atenção!

Enfim... hoje eu vou falar um pouco do filme Victor Frankenstein, um filme que gostei bastante, mas que ainda estou tentando digerir tudo o que aconteceu. São muitas lições em um livro só e me pergunto: até onde somos capazes de chegar para provar que somos capazes de vencer a morte? Será que está podemos realmente mudar o destino? Quais mistérios a vida tem nos preparado?

Olá, amores!! Tudo bem?

Assisti Persuasão há algumas semanas já, mas não estava preparada para vir relatar minha experiência para vocês, pois ao término do filme fiquei realmente sem entender ao certo meus sentimentos em relação a trama. Confesso que não foi a melhor das experiências com as obras cinematográficas baseadas nos livros da autora, mas não foi o suficiente para me fazer descartar a leitura do livro que pretendo fazer em breve.

Que sou perdidamente apaixonada pelos livros da Jane Austen não é para ninguém uma grande novidade, e que não li todos os livros dessa grande autora também não é nada de diferente do que vocês já sabem sobre mim. Mas acredito que algo que seja realmente novidade é o fato de eu ter feito para mim uma meta de assistir todos os filmes baseados nas obras dessa grande mulher e assim que encontro algum disponível na internet assisto para vir aqui relatar para vocês.

Fala mulheradaaaa!!! Tudo firmeza?
Se não estiver vai ficar, porque a dica de filme hoje vai fazer a mulherada pirar!

*** CUIDADO GIFS ALTAMENTE UMIDECENTES NESTA POSTAGEM ***

*** SANTINHAS PASSEM LONGE DESSE POST ***
Estou desde o dia que vi esse filme, pensando: "Será que falo dele no blog?" Então, me decidi, e cá estou para falar dele "prazamiga". Já vou avisando que no filme tem homem gostoso sim, tem homem seminu sim... e se reclamar tem cinco pra se esfregar em você até perder os sentidos.

Nunca senti vontade de ver esse filme e vou dizer o porque, acho o Tatum muuuuito feio (não me matem é só a minha opinião), sério, de cara ele é um desastre ecológico, mas não irei negar que ele tem um corpão bem gostoso, um molejo no quadril que se ele souber usar na hora certa, leva qualquer uma loucura, sem falar na pegada forte e tal... enfim, vou tentar manter o foco... sigamos...

 
♥ Emma ♥

Sinopse:
A jovem e agradável Emma Woodhouse (Gwyneth Paltrow) adora cuidar dos problemas de outras pessoas. Ela se dedica incessantemente a unir homens e mulheres que na teoria tem tudo para dar errado. Apesar de lidar corriqueiramente com o romance, Emma é confusa em relação aos seus sentimentos, sobretudo os que envolvem o Sr. Knightley (Jeremy Northam). 

Fala Corujada de Plantão!

Sim, eu fui na pré-estreia de Os Vingadores 2 e acabei de chegar. São 00:13 e cá estou eu como o prometido pensando numa melhor forma de falar sobre o filme sem resumir tudo em #foda #fodapracaralh#caralho. Nick Fury me perguntaria, após ler essa modesta opinião sobre o filme se beijo minha mãe com essa boca, mas no meu caso são os dedos... xiii fiquei confusa, mas tenho certeza de que quem viu o filme ou vai ver vai saber do que estou falando... rsrs

Vamos lá, que os filmes sobre heróis estão cada dia mais visados é um fato, nem preciso dizer nada sobre isso, a grande maioria gosta, até quem não curte HQ's cai de amores, vai pro cinema conferir o resultado. Sei que meu papo ta meio nerd, mas fazer o que, elevei meu level de nerdice ao ponto de quase chorar com aquela abertura do logo da Marvel ou em cenas como a selecionada no gif acima.

Fala, Galera!

Dia 23/04, quinta-feira agora, estreia Os Vingadores 2 - Era de Ultron nos cinemas do Brasil e no dia 30 no restante do mundo. Estamos chiques, não? 

Lembram que eu disse que ia dormir na porta do cinema só pra ver esse super lançamento? Pois é, não vou precisar, pois vou na pré-estreia especial que está tendo na minha cidade no dia 22/04, muito nerd? Bem, não sei... só sei que no final de semana que antecede a estreia eu fiz uma listinha básica de filmes para ver e eis-me aqui para comentar os frutos da maratona insana de filmes que fiz esse final de semana.

Pra quê tudo isso? Bem, não sei... só sei que foi assim...







Vamos lá, depois de uma pá de tempo, resolvi assistir Carrie, A Estranha - versão de 2013. Quem acompanha o blog sabe que meu contato com os livros do Mestre King é algo recente, mas já havia visto muitos filmes baseados em suas obras sem nem saber que eram dele, mas estou mudando essa situação. Enfim, quando eu era criança, pré-adolescente, assisti a versão de 76 na TV por acaso e confesso que passei um cagaço daqueles com a Carrie, naquela época, uma menina com cara de capeta, estranha, banhada de sangue destruindo tudo por onde passava e matando os colegas do colégio foi realmente assustador. Porém agora, não consigo mais vê-la como a vilã e desde a leitura do livro e uma nova assistida no filme antigo me fizeram ver ter muita pena dela.

Me prendendo na nova versão, não estou aqui para fazer comparações, tanto porque aprendi a ver remakes e versões sobre as coisas como uma nova visão de um enredo foda, então estou aqui aqui para falar o que achei dessa versão tããão duramente criticada.


♥ O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos ♥ Após ser expulso da montanha de Erebor, o dragão Smaug ataca com fúria a cidade dos homens que fica próxima ao local. Após muita destruição, Bard (Luke Evans) consegue derrotá-lo. Não demora muito para que a queda de Smaug se espalhe, atraindo os mais variados interessados nas riquezas que existem dentro de Erebor. Entretanto, Thorin (Richard Armitage) está disposto a tudo para impedir a entrada de elfos, anões e orcs, ainda mais por ser tomado por uma obsessão crescente pela riqueza à sua volta. Paralelamente a estes eventos, Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) e Gandalf (Ian McKellen) tentam impedir a guerra.


Então, 11/12 chegou... a data mais esperada pela minha pessoinha desde o ano passado quando essa que voz fala saía da sala de cinema ao término de A Desolação de Smaug, cuspindo marimbondo!! Quem acompanhou as resenhas dos filmes anteriores sabem do que estou falando... rsrs... e quem viu o filme, sabe que aquele final foi uma palhaçada, mas um enorme golpe de marketing para que os fãs de Tolkien voltarem nas telonas para ver como iria terminar a história, mesmo já conhecendo seu final, pois é claro, os fãs de Tolkien já leram seus livros e etc.

Não sou muito de ir ao cinema, acho que já devem ter notado isso, só vou naqueles filmes que realmente estou muito afim de ver e tinha uma pequena lista de títulos para esse ano, que se você contar com os dedos de uma mão, sobrarão muitos dedos. Dentre esse pouquíssimos nomes o mais aguardado com toda a certeza foi O Hobbit, A Batalha dos Cinco Exércitos, e o mais ovacionado foi ele, sem sombra de dúvidas. Simplesmente... delirei o filme inteiro e saí da sala de cinema me sentindo órfã dessa aventura, muito criticada pelos cricris de Tolkien, mas que para mim, foi um acréscimo gigante de mais uma história fantástica, baseada nas obras de Tolkien.

Muitos criticaram os acréscimos feitos por Peter Jackson no filme, principalmente o fato dele ter feito um livro de 300 páginas virar uma trilogia como O Senhor dos Anéis, porém ao término da leitura de O Hobbit (resenha aqui), vi que a aventura central estava incólume, ou seja, o enredo principal do livro estava ali... os demais acréscimos foram feitos para que a aventura se tornasse mais empolgante e conseguiu. Muita gente reclamou do romance entre a elfa e o anão, mas por favor né gente? Deu um drama bonito de se ver na telona, que já viu sabe o que estou dizendo.

Peter Jackson obedeceu a aventura central, alterando apenas o visão de Bilbo, que no livro se esconde usando o anel quando a guerra realmente começa e que no filme teve uma maquiagem heroica que de certa forma abrilhantou o final do enredo. Como personagem central, essa mudança me pareceu muito válida e eu simplesmente delirei. O Hobbit foi escrito com a intensão de ser um livro infantil, por essa razão muitas coisas são passadas por cima e algumas coisas ficam vagas, mas Jackson conseguiu fazer dele um filme para todas as idades que com certeza conquistou a grande maioria.

Então, voltando A Batalha dos Cinco Exércitos. Com toda a certeza esse foi o melhor final que poderia haver. Repleto de ação, guerras, lutas sangrentas... Legolas sendo Legolas, o herói mais falastrão e capaz de coisas que os outros elfos não são capazes, ou seja, a mentirada de sempre. Tiradas do bom e velho bom humor de Bilbo e suas furadas e muito, mas muito drama... o que me fez acertar que muita garotinha 'teen' ia sair chorando do cinema e bem, se eu tivesse apostado uma grana alta teria ganhado, porque não foi uma só não, foram várias juvenis chorando cântaros na saída do cinema... Se eu me emocionei? Claro!!! 

As perdas indicadas no livro, foram retratadas de forma emocionante que é impossível você não se sensibilizar e amar esse final, para essa incrível jornada! Eu poderia passar o dia discorrendo sobre esse filme e ainda assim não seria capaz de expressar o que senti, só posso dizer que... ainda essa semana estou indo ver novamente, porque não consegui não me emocionar novamente com o trailer a seguir!!!




Sinopse:

Os habitantes da Transilvânia sempre foram inimigos dos turcos, com quem tiveram batalhas épicas. Para evitar que sua população fosse massacrada, o rei local aceitou entregar aos turcos centenas de crianças. Entre elas estava seu próprio filho, Vlad Tepes (Luke Evans), que aprendeu com os turcos a arte de guerrear. Logo Vlad ganhou fama pela ferocidade nas batalhas e também por empalar os derrotados. De volta à Transilvânia, onde é nomeado príncipe, ele governa em paz por 10 anos. Só que o rei Mehmed (Dominic Cooper) mais uma vez exige que 100 crianças sejam entregues aos turcos. Vlad se recusa e, com isso, inicia uma nova guerra. Para vencê-la, ele recorre a um ser das trevas (Charles Dance) que vive pela região. Após beber o sangue dele, Vlad se torna um vampiro e ganha poderes sobrehumanos.

Não recomendado para menores de 14 anos 

Este final de semana resolvi ir ver esse filme que está tãão falado que a meu ver deve muito em muitas coisas. Hoje pesquisando imagens para montar este post li uma critica que disse a seguinte: "o filme nada mais é que uma forma de explicar as atrocidades de um vilão." e olhando por esse prisma, é a verdade.

Drácula, A História Nunca Antes Contada é muita tempestade em um copo d'água e não é tudo isso não. O filme não é ruim, veja bem, o filme é legal... mas não é tudo o que andam falando não. Os efeitos especiais são demais, mas os furos são gritantes e inacreditáveis. As cenas em que o ator principal, Luke Evans, estava cavalgando (principalmente correndo a cavalo) dava vontade de entrar no filme e falar: 'Meu filho! Você não fez oficina de montaria não?' Sério, até ator da Globo monta a cavalo melhor que ele... chegava ser patético, mas ignorei... em O Hobbit ele terá de matar um Dragão e é isso que importa nesse momento para mim.

Um filme para ser incrível, para mim, ele tem de estar redondinho, ter menos arestas possíveis e funcionar bem, porém esse filme, não tem arestas, tem rombos gigantescos. Como a primeira batalha do Vlad, após ganhar seus poderes. Tudo bem ele estar super poderoso e tal, mas só ele no gargalo de uma batalha, ou seja, na entrada do seu castelo, sozinho contra mais de 50 mil homens... foi muito, mas muito furada... tanto porque os caras fizeram uma rodinha em volta dele quando ele avançou para o meio da multidão enfurecida, mas não foi lógico, pois a quantidade de inimigos, principalmente aqueles que não o viram ali, teriam avançado contra o portão e não fizeram, preferiram fazer um 'mosh' e morrer nas mãos do Vlad. Furo demais, principalmente se tratando de táticas de guerra! Mas tudo bem... é um filme e lá fui eu...

Não, melhorou... o filme teve cenas incríveis, as me peguei dormindo... sim... DORMINDO!... na sala de cinema. A atriz que faz a esposa do Vlad, é bonitinha, mas péssima atriz. Sério, não me convenceu. O filho deles, eu juro, que ele é um dos filhos do Ned Stark em Game Of Thrones, tadinho... nem vou falar dele... é criança, um dia ele aprende.

Tentaram, brincar com a trama do Bram Stoker e sério, a primeira versão, a baseada no livro, para mim continua sendo a mais sensacional, mais poética e mais romântica das versões do Stoker. No fim, confesso que respirei aliviada pelo simples fato do Vlad não virar purpurina a luz do sol! 

Vou parar de ser rabugenta... tenho certeza que vai vir um aqui defender o filme! Espero que sobrevivam a minha opinião, pois é essa e não vai mudar.

Tudo começa dando um resumo de como foi a infância do príncipe Vlad, dado aos turcos pelo próprio pai para servir como arma de guerra.Com o passar dos anos, ele se tornou o mais sanguinário e mais mortal dos guerreiros, tornando-se O Empalador. 

Já adulto, ele retorna para a Romênia (pra quem não sabe a Transilvânia é lá), sobe ao trono, casa-se e garante aos seus súditos 10 anos de paz que são jogados por terra quando o sultão turco, seu amigo de infância, pede a ele 1000 meninos para cobrir sua frente de batalha... porém não são apenas 1000 meninos, são 1001. Vlad tem de dar o filho para ser criado pelos turcos, como o pai fez com ele.

Alguns dias antes da chegada dos turcos, Vlad encontrou em uma caverna uma estranha criatura sanguinária e consegue escapar de lá com vida. Após pesquisar no mosteiro sobre o que poderia ser aquele ser das sombras, ele descobre que o que reside lá é na verdade um vampiro.

Ele não vai dar a Mehemed o que ele quer e a guerra entre os dois é inevitável, porém os turcos sobressaem em numero. Decidido a enfrentar a criatura da caverna, eles fazem um acordo, um jogo entre Vlad e o vampiro e ao despertar o príncipe Empalador se torna, Drácula... O Demônio. 

A partir desse pacto a guerra começa e o filme gira em torno disso. Drácula, motherfuck dizimando geral. Mehemed seguindo ele e seu povo até encurralá-los. Resumindo é meia hora de introdução e o resto é guerra.

A história foi bem amarrada, o desfecho da trama foi interessante, mas foi fraco... não me emocionou, não me fez suspirar com o romance... nem ficar animada com as batalhas. Arrancaram a roupa do Luke, pra dar aquele momento, calcinhas molhadas na sala escura e pra não dizer que não gostei de nada o final foi heroico e emocionante, e confesso que achei que o filme acabaria ali... ai cagaram com tudo mostrando o futuro.

Saí da sala de cinema com aquela sensação de: 'Só isso?'

E foi isso gente... só isso. A história tinha tudo para ser incrível, mas é boa. Se você ainda não viu, não vá com grandes expectativas como a minha pessoa foi, pois pode ser que seja decepcionante demais para você também.

► Sinopse: Rio Grande do Sul, final do século XIX. As família Amaral e Terra-Cambará são inimigas históricas na cidade de Santa Fé. Quando o sobrado dos Terra-Cambará é cercado pelos Amaral, todos os integrantes da família são obrigados a defender o local com as armas que têm à disposição. Esta vigília dura vários dias, o que faz com que logo a comida escasseie. Entre eles está Bibiana (Fernanda Montenegro), matriarca da família que recebe a visita de seu falecido esposo, o capitão Rodrigo (Thiago Lacerda). Juntos eles relembram a história não apenas de seu amor, mas de como nasceu a própria família Terra-Cambará. 

Ah! Os filmes nacionais... meu velhos e bons arqui-inimigos! Uma relação de amor e ódio que vem passando por minha vida ao longo das décadas. Hoje,  porém, venho falar positivamente de um filme que assisti a bem pouco tempo... O Tempo e o Vento

Nos últimos meses minha mãe vinha falando e falando de uma tal série de TV que ela havia amado, que eu tinha de assistir. Não passava uma semana sem que ela não falasse sobre isso e acabei descobrindo que o motivo era pelo lançamento do filme.

Para quem não sabe, antes de ter sido uma série e, posteriormente, um filme, O Tempo e o Vento foi e é uma série de livros escritos por Érico Veríssimo. Isso mesmo, a história é baseada em sete livros do autor e conta a trajetória de uma família nos pampas brasileiros.

A mini-série foi lançada pela Globo (há muitos anos atrás), que tem um belo e grande histórico em trazer para a tela da nossa TV grandes clássicos da nossa rica e bela literatura. Pode-se dizer o que quiser da emissora, mas jamais que suas mini-séries clássicas foram ruins. E acredito que após ter visto esta nova versão de O Tempo e o Vento, a mini-série realmente tenha sido maravilhosamente bem feita e detalhada, com um ótimo elenco também.


Mas como o intuito é falar do filme, eis-me aqui para dar a minha opinião, um tanto quanto poética e enlevada. Antes de mais nada tenho de confessar que o Capitão Rodrigo será eternamente imortalizado na pele do Thiago Lacerda, que conseguiu dar um ar bonachão e malandro que te arranca suspiros e vontades de esbofeteá-lo. Thiago foi uma boa escolha para o papel e realmente encarnou o personagem com perfeição, até mesmo minha mãe que leu os livros e acompanhou o trabalho do grande Tarsísio disse que Rodrigo melhor não houve. Já Marjore Estiano teve um trabalhão, mas conseguiu, seguir ao lado da belíssima e talentosa Fernanda Montenegro.

As paisagens do filme são lindas como jamais um outro país conseguiremos encontrar. Uma beleza quente, tropical, bela e perfeita que foi captada com maestria pelas câmeras do cineasta. Okay! Gostei muito do filme e da história (já irei revelar um pouco sobre ela), mas que o diretor fez do filme uma cópia nacional de E o Vento Levou ta na cara e se digo isso é porque tenho certa experiencia com D. Scarlate O'Hara e seus vestidos de cortina, já assisti um sem números de vezes o filme para dizer.

Muitas cenas são idênticas. Pesquisei algumas comparações provar o que eu digo. Quem viu E o Vento Levou, vai notar muitas igualdades entre os dois filmes, até mesmo a formatação das letras de abertura do filme, a paisagem praticamente idêntica. Confesso que quando acabaram os infindáveis logos dos patrocinadores e o filme começou me peguei esperando que O'Hara aparecesse sob frondosa árvore fazendo seu juramento com terra. Felizmente, tirando essas semelhanças e o fato de ambas as histórias de amor se passarem em distintas Guerras Civis, O Tempo e o Vento se mostrou uma grata surpresa.

E O Vento Levou x O Tempo e o Vento

A história começa com o retorno do belo fantasma de Rodrigo Cambará à casa de sua amada, porém idosa, Bibiana. Os tempos são difíceis, mas os inimigos são os mesmos. Enquanto, Bibiana revive as histórias de sua família vamos conhecendo o legado dos Terra, até os dia em que chega a cidade de um certo Capitão Rodrigo. Uma família nascida do coração brasileiro, com raízes fortes e paixões avassaladoras, 150 anos de luta pelos direitos de liberdade, traições, guerras, homicídios e amores.

Eu poderia discorrer sobre toda a trama do filme, porém seria um tremendo de um spoiler e isso não seria justo com uma trama tão bem trabalhada e encantadora. Rodrigo volta para buscar sua amada Bibiana e neste retorno todo o novelo é desenrolado para os telespectadores. Quando enfim é declarado fim da guerra, confesso ser esse um dos momentos mais lindos do filme, não tive como me emocionar.


Tantas histórias e tantos amores escondidos nos confins dessa nossa terra. Tanta coisa para se ver e aprender e nós estamos aqui desperdiçando nosso tempo com futebol e copa do mundo. Já pararam para se perguntar qual a história da sua família? Você conhece a suas raízes? Por piores que elas sejam, elas são parte de você e é isso que esse filme mostra, não é apenas uma história de amor ou uma aula de história, é uma história de superação, de fortalecimento diante dos piores momentos da vida. 

Se estou encantada? Não, não estou encantada. Estou apaixonada, pelo filme e essa é minha dica para o final de semana de cada um de vocês meus caros leitores. Apesar das criticas venenosas de fanáticos literalistas (que criticam e falam mal do filme, baseando-se apenas no contexto da obra literária, sem ao menos avaliar os demais pontos positivos do filme), achei o filme muito bem feito e o desenrolar muito do aceitável, não conheço o trabalho do Tarsísio, então não posso dizer quem foi melhor, assim como ainda não li os livros para dizer algo sobre a trama. Fui fisgada e encantada pelo que vi e isso me basta para falar bem do filme.

Quem não viu, espero que goste da minha dica e aquelas que viram espero a opinião de vocês aí nos comentários... ;) Beijos ~Raíssa



► Sinopse: Após iniciar sua jornada ao lado de um grupo de anões e de Gandalf, Bilbo Bolseiro segue em direção à Montanha Solitária, onde deverá ajudar seus companheiros de missão a retomar a Pedra de Arken, que fará com que Thorin obtenha o respeito de todos os anões e o apoio na luta para retomar seu reino. O problema é que o artefato está perdida em meio a um tesouro protegido pelo temido dragão dragão Smaug. Ao mesmo tempo, Gandalf investiga uma nova força sombria que surge na Terra Média.
Boa noite queridos!!!

Acabei de chegar do cinema e não poderia deixar passar meu êxtase com o filme O Hobbit - A Desolação de Smaug. Tenho certeza de que verão muitas criticas negativas quanto a ele, realmente o final foi decepcionante para muitos, porém acredito que os fãs, como eu, não se importaram muito e já estão ansiosos por mais. 

Então, vou deixar de balela e apresentar para vocês essa tag que acabei de criar. A Sessão Pipoca será escrita sempre que eu for ao cinema assistir algo, não será sempre, pois sou muito enjoada com os filmes que vou ver no cinema, então até o próximo lançamento.... Fiquem com O Hobbit - A Desolação de Smaug.


Eis aí o filme mais aguardado do ano, confesso que achei que a procura fosse ser bem maior, que a sala de cinema estaria lotada, filas quilométricas nos cinemas, mas não foi bem assim, o que foi decepcionante para mim, pois me recordo de como foram lotadas todas as sessões da trilogia de O Senhor dos Anéis aqui na minha cidade.

Acho que realmente as pessoas estão perdendo o bom gosto para os filmes e livros e isso é triste. Sou fã das obras de Tolkien, acho a Terra Média tão rica de detalhes, tão cheia de mistérios e intrigas que às vezes me vejo chocada em ver uma pessoa falando que o filme/livro ser uma 'merda'. Acho uma critica mordaz e infundada, tanto porque não devemos fazer comparações infundadas. Filmes nunca são idênticos aos livros, por mais desolador que isso seja, por essa razão eu tento ficar na minha e ver o filme como ele é... um jogo de computação gráfica, trilha sonora, fotografias lindas e etc.

Podem falar o que quiser de O Hobbit, mas nunca que o filme foi ruim. O final do filme realmente foi uma surpresa geral e acho válido informar aqueles que ainda não viram e que pretendem vê-lo de que não há um final, pois teremos mais um filme dessa aventura. Tá... eu ainda estou com aquelas sensação de 'pegadinha do malandro', porém eu gostei muito do filme. O assisti praticamente inteiro em 3D e me senti lá dentro da história e adorei isso. Os efeitos especiais ficaram incríveis, a tecnologia cinematográfica está cada vez mais esplendida e as cenas de ação cada vez mais mitológicas.

A longa jornada de Bilbo e seus amigos anões continuam nesse filme, eles encontraram elfos da Floresta Negra, orcs, aranhas gigantes e no fim o temido Smaug. Até um romance fofo aparecerá nesse filme que é uma coisa que eu gosto muito desses filmes baseados nas fantasias de Tolkien, pois apesar das grandes batalhas, das densas tramas maléficas, encontraram um tempinho para que o amor não fosse totalmente esquecido. As cenas de ação são míticas, então se você achou o primeiro filme parado vai se espantar com o agito deste filme.

Não falarei mais do enredo do filme, pois se trata da continuação do anterior, tirando as batalhas e novos horizontes a trama é a mesma, o plano é chegar onde Smaug está e no caminho obviamente eles encontraram seres maléficos, bravos guerreiros e toda a sorte de lendas saídas da mente de Tolkien.

Eu simplesmente adorei, mesmo com os contras, o filme foi realmente muito bom e satisfez perfeitamente bem as minhas expectativas. Então... se... Você só vê filme porque tem homem bonito esse aí tem o Legolas e um monte de elfos; Se só vê filme com aventura esse tem bastante; Se você só vê comédia, esse tem tiradas ótimas; Se só vê romance, esse tem um proibido... resumindo... Eu recomendo esse filme para você.