(Este livro não é recomendado para menores de 18 anos)
Sedução Ao Amanhecer♥ Sedução ao Amanhecer ♥
Ed: 01 - Editora Arqueiro 
Sinopse:
O cigano Kev Merripen é apaixonado pela bela e bem-educada Win Hathaway desde que a família dela o salvou da morte e o acolheu, quando era apenas um menino. Com o tempo, Kev se tornou um homem forte e atraente, mas ainda se recusa a assumir seus sentimentos por medo de que sua origem obscura e seus instintos selvagens prejudiquem a delicada Win. Ela tem a saúde fragilizada desde que contraiu escarlatina, num surto que varreu a cidade. Sua única chance de recuperação é ir à Franca, para um tratamento com o famoso e bem-sucedido Dr. Harrow. Enquanto Win está fora, Kev se dedica a coordenar os trabalhos de reconstrução da propriedade da família, em Hampshire, transformando-se num respeitável administrador, mas também num homem ainda mais contido e severo. Anos depois, Win retorna, restabelecida, mais bonita do que nunca... e acompanhada por seu médico, um cavalheiro sedutor que demonstra um óbvio interesse por ela e desperta o ciúme arrebatado de Kev. Será que Win conseguirá enxergar por baixo da couraça de Kev o homem que um dia conheceu e tanto admirou? E será que o teimoso cigano terá coragem de confrontar um perigoso segredo do passado para não perder a mulher da sua vida?

 (Este livro é inapropriado para menores de 18 anos)
Desejo à Meia-NoiteDesejo à Meia-Noite
Ed: 01 - Editora Arqueiro
Sinopse:
Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar. Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan. Meio cigano, meio irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem. Mas parece que o destino já traçou outros planos. Quando se muda com a família para a propriedade recém-herdada em Hampshire, Amelia acredita que esse pode ser o início de uma vida melhor para os Hathaways. Mas não faz ideia de quantas dificuldades estão a sua espera. E a maior delas é o reencontro com o sedutor Rohan, que parece determinado a ajudá-la a resolver seus problemas. Agora a independente Amelia se verá dividida entre o orgulho e seus sentimentos. Será que Rohan, um cigano que preza sua liberdade acima de tudo, estará disposto a abrir mão de suas raízes e se curvar à maior instituição de todos os tempos: o casamento?



♥ Um Lugar Chamado Liberdade ♥ Ed: 02 - Editora Arqueiro
Escócia, 1766. Condenado à miséria e à escravidão nas brutais minas de carvão, Mack McAsh inveja os homens livres, mas nunca teve esperança de ser como eles. Até que um dia ele recebe a carta de um advogado londrino que lhe revela a ilegalidade da escravidão dos mineiros e um novo horizonte se abre aos seus olhos. Porém, para realizar seu sonho, Mack precisará enfrentar todo tipo de opressão das autoridades que não estão acostumadas a serem questionadas. Já na idealizada Londres, ele reencontra uma amiga de infância, Lizzie Hallim, agora casada com Jay Jamisson, membro da família que tanto o atormentara na Escócia. Lizzie não se conforma em viver submetida aos caprichos dos homens e constantemente escandaliza a sociedade com seu comportamento e suas ideias não convencionais. Quando Mack é acusado injustamente de um crime, ela quebra protocolos e sai em sua defesa, mas o amigo é deportado para a América. Mack logo descobre que se trata de uma mera mudança de continente, não de ares sociais, pois a colônia também vive momentos de tensão: se na Inglaterra os trabalhadores não desejam mais ser explorados pela elite, ali os colonos preparam o caminho que os levará à independência do jugo inglês. Nesta saga repleta de suspense e paixão, Ken Follett delineia uma época de revoltas contra a injustiça com uma escrita enérgica e sedutora.
Um Lugar Chamado Liberdade

Mack sonhou que estava atravessando o vau de um rio
em direção a um lugar chamado Liberdade. A água era fria, o leito irregular,
e havia uma correnteza forte. Ele continuava seguindo em frente, porém
a margem nunca ficava mais perto e o rio parecia mais fundo a cada passo.
Ainda assim, ele sabia que se insistisse chegaria lá.
No entanto acabou engolido pelas águas.”
Pág. 388

Eu comentei no final de semana que esse com toda certeza era um dos melhores livros que eu havia lido em 2014 e não estava errada, as paginas restantes desde a publicação de meu comentário na fan page no Facebook só me fizeram confirmar isso.

Nunca havia lido nada de Ken Follett e tinha muita curiosidade para ler a seu trabalho, mas temia pegar algo muito grosso e me decepcionar. Conheci Os Pilares da Terra pela série que, na verdade é um filme muuuuuito grande e estava esperando que o volume único da obra baixasse de preço, mas não tive como comprá-lo ainda. Então surgiu a chance de ler Um Lugar Chamado Liberdade em parceria com a Editora Arqueiro e eu a agarrei.

Ken Follett tem o dom de te fazer embarcar em sua história facilmente e seja lá quantas páginas tenha seu livro, ele simplesmente irá acabar te deixando órfã de uma obra tão inebriante. Em Um Lugar Chamado Liberdade conheceremos dois personagens de personagens fortes que irão nos fazer suspirar e entrar em desespero. Eu fui tocada pelo livro diversas vezes, as descrições de como os escravos eram tratados me fazia sentir os cheiros, a agonia, o desespero e a situação em um todo. A trama é cheia de reviravoltas envolventes, angustiantes, apaixonantes e simplesmente não sei como expressar tudo isso de uma forma que os faça querer ler esse livro.

Logo no inicio, antes que você embarque nessa aventura, Follett relata o fato de ter encontrado na velha propriedade que havia comprado, um baú que continha um livro e um aparato de metal, que mais tarde descobriu ser uma coleira de escravo. Observando esse objeto que ele mantém sobre a mesa de seu escritório, um dia se perguntou qual seria a história que envolvia aquele homem que um dia foi propriedade de George Jamisson... e assim nasceu Um Lugar Chamado Liberdade.

Mack e Lizzie são amigos de infância. Antes da morte do pai Lizzie, a mãe de Mack fora criada pessoal de lady Hallim, mas deixou o trabalho para ir trabalhar nas minas quando a mãe de Lizzie descobriu que estavam falidas. Mesmo não trabalhando mais na propriedade das Hallim, a mãe de Mack o levava, junto com a irmão até lá e nessas idas, Lizzie, Mack e Esther brincavam escondidos da nobre dama.

Porém, quando Mack e Esther, sua irmã gêmea, completaram sete anos foram obrigados a trabalhar ao lado dos pais nas minas de carvão da família Jamisson e o contato entre eles foi rompido. Lizzie foi criada para ser uma dama da alta sociedade e Mack apenas um mineiro que provavelmente morreria como os pais, de tanto trabalhar.

Quando pequeno, Mack e Esther aprenderam a ler e a escrever. Quando todos achavam que era bobagem ele e a irmã se dedicaram e cresceram sabendo que poderia fazer qualquer coisa, desde que estivessem dispostos a lutar pelo que desejavam.

Como sempre lia as noticias após os cultos de domingo, Mack descobriu a identidade de um advogado reformista que era a favor do proletariado e decide escrever a ele perguntando sobre sua situação. E a resposta será lida diante de todos, após o culto daquele fatídico dia.

Só não esperava que o próprio dono na mina estivesse lá naquele dia. Ou melhor, ele a família e alguns vizinhos se encontravam ali. Para Mack era melhor que ele estivesse pronto, pois assim não teria de agir pelas costas dele.

Segundo a carta uma criança dada pelos pais no dia do batizado ao dono da mina, só seria seu escravo até os vinte e um anos, tornando-se escravo permanente se permanecesse no serviço por um ano e um dia. Seus vinte e dois anos eram em poucos dias e ele estava disposto a partir daquele lugar, custasse o que custasse, antes que seu prazo de liberdade vencesse.

Lizzie crescera sendo criada para ser uma lady, mas todo o dinheiro investido por sua mãe para que isso acontecesse foi jogado fora. Lizzie queria ser livre das convenções sociais, queria ser livre para usar calças e dar opiniões. Queria falar de política e economia, e o mais importante queria escolher o homem com quem gostaria de se casar, porém sabe que a mãe está enfiada em dividas e um casamento com o primogênito de George Jamisson é a única forma de tirá-las da falência.

Ao menos era o que ela esperava até reencontrar Jay Jamisson, o irmão caçula de Robert e belo capitão da infantaria inglesa. Encantada com o rapaz ela se encontra certa de que ele era o homem certo para ela, porém um bate boca com o prepotente Mack McAsh faz com que seu coração fique balançado. Jay é a melhor opção para ela, mas Mack o homem cuja alma se igualada a dela na busca pela liberdade.

Após presenciar ops maus tratos dispensados aos mineiros dos Jamisson, Lizzie promete a si mesma que enquanto ela respirar... ninguém será tratado daquela forma em suas terras. Só que ela não podia prever a ardilosa trama criada por seus sogros e seu marido.

Ludibriada ela se casa com Jay Jamisson, sendo apaixonada por McAsh o mineiro que ela havia salvado a vida algumas vezes. Agora ela está casada com Jay e descobrir a traição dele será desastrosa. Grávida e a caminho da Virgínia ela sabe que nada poderá ser como antes... seu único consolo é saber que Mack estará ao seu lado.

Divididos entre seus deveres e desejos de liberdade. Mack e Lizzie entraram numa vertiginosa e apaixonante aventura pelas inóspitas terras do Novo Mundo. Um amor de muitos anos, sendo aflorado pelo sonho de liberdade.

Acho que nem preciso dizer que indico o livro de olhos fechados. Este é mais um daqueles livros completos que nos brindam com romance, drama, aventura e claro... um delicioso suspense.

Não deixem essa leitura pra depois, devore-a assim que puder... porque o desenrolar dessa intricada história de amor impossível será... Emocionante e SURPREENDENTE!!! Eu estou simplesmente... apaixonada por essa história de fé (nos sonhos) e superação.

book cover of 

A Place Called Freedom

♥ O Espadachim de Carvão ♥ Ed: 03 - Selo Fantasy (LeYa)
Filho de um dos quatro deuses de Kurgala, Adapak vive com o pai em sua ilha sagrada, afastada e adorada pelas diferentes espécies do mundo. Lá, o jovem de pele absolutamente negra e olhos brancos cresceu com todo o conhecimento divino a seu dispor, mas consciente de que nunca poderia deixar sua morada. Ao completar dezenove anos, no entanto, isso muda. Testemunhando a ilha ser invadida por um misterioso grupo de assassinos, Adapak se vê forçado a fugir pela vida e se expor aos olhos do mundo pela primeira vez, aplicando seus conhecimentos e uma exótica técnica de combate na busca pela identidade daqueles que desejam a morte dos Deuses de Kurgala.

" - Porque a curiosidade vence o medo de maneira mais eficaz que a bravura."
pág. 80


Cá estou eu, com a cara queimando de vergonha, pois essa resenha era pra ter sido publicada no sábado passado. Vocês devem ter notado meu sumiço, não? Mas aqui na minha cidade fez tanto calor, mas tanto calor... que o inferno tava geladinho os últimos dias. E eu e calor, somos como Super-Homem e Kriptonita, não rola... então, foi por essa razão que demorei tanto e peço-lhes desculpas por isso, pois gostei muitíssimo do livro e não gostaria que vocês pensassem o contrário.

Eu estava há algum tempo namorando esse livro no site da Submarino. Vocês sabem que estou aproveitando essa maré excelente levantada pela série Game Of Thrones para aumentar minha coleção de livros fantásticos né? Então, simplesmente não posso ver um que já fico namorando ele por meses, até que ele entre em um preço acessível no site. Então, esse dia chegou, justamente após ouvir um NerdCast no site do Jovem Nerd que reunia um grupo pesado de autores nacionais de fantasia falando sobre os mundos fantásticos criados por eles e outros autores do ramo.

A capa de O Espadachim de Carvão já me intrigava e me instigava, mas ainda tinha meus receios quanto a leitura, mas eles só poderiam ser sanados após a leitura e lá fui eu. Confesso que o primeiro capítulo foi um tanto quanto estranho para mim, mas isso acontece com todos os livros que começam com algum tipo de batalha, fico completamente perdida. Isso aconteceu com A Guerra dos Tronos e Tigana: Lâmina na Alma, livros excelentes que logo de cara fizeram meu cérebro dar curto com tanta informação em tão poucas páginas.

O livro tem pouquíssimas paginas, apenas 255, e todo o desenvolvimento e apresentação dos personagens se dá pelos muitos diálogos contidos no livro. Isso faz a leitura ser rápida. A linguagem com que Affonso escreve é bem simples, apesar dos nomes estranhos para os seres criados por ele, o autor consegue te por dentro da trama e me peguei desejando poder percorrer Kurgala e conhecer sua natureza e povo, pois realmente tudo me fascinou. Ah! Já ia me esquecendo... Solano também mescla uma fantasia dentro de outra, criando uma série de livros fantásticos sitados sempre por Adapak. Ele intercala também o passado com a aventura presente e tudo isso é costurado de uma forma que faça sentido e você conheça todos os pontos da trama inicial, assim como seus seres, mitologia e etc.

Esse é um livro diferente de todos que li, repletos de monstros e seres multicoloridos tão cheios de magia quanto maldade. Adapak é um personagem cativante, ao meu ver, toda a sua inocência unida a sua honradez e princípios morais fazem com que ele seja 'O' herói entre os heróis. Um rapaz estudioso, descobrindo um mundo, conhecido apenas pelas páginas dos livros, através da maior e mais perigosa aventura que alguém poderia embarcar.

O livro é o primeiro de uma série. Não encontrei mais informações sobre quantos volumes haverão, mas é certo que Solano vai nos brindar com mais livros, dando sequencia assim à aventura de Adapak em busca da verdade sobre a sua existência. Não faço ideia do que está por vir, mas pelo final desse primeiro volume, posso garantir que não vai ser nada fácil para esse rapaz sem espécie ou origem definida... Ansiosa! É a única coisa que posso dizer.

Como disse, logo de cara encontramos Adapak encurralado em um casebre, sendo atacado um grupo de guandirianos, monstros com uma couraça dura cuja visão limitada se dá através da vibração dos sons. Ele não faz ideia do porque está sendo perseguido, ou o motivo pelo qual havia sido atacado em sua casa no Lago Sem Ilha. O mundo fora da casa de seu pai, um dos quatro deuses de Kurgala, era totalmente diferente do mundo que ele conhecia pelas páginas dos livros e enciclopédias e lidar com toda essa informação, mais os atentados contra sua vida seria complicado. 

Até os quatro anos de idade Adapak foa criado por Barutir, um sacerdote da casa de seu pai, e encontrá-lo depois de tantos ciclos se torna sua busca inicial. Se alguém poderia ajudá-lo, esse alguém era o sacerdote que o criara, mas nada parece ser tão simples assim... por sua aparência destoante, Adapak é recebido com receio por onde passa... Ele é negro como o carvão, seus olhos são brancos, não há um pelo sequer em seu corpo e a falta das cartilagens das orelhas e nariz fazem com que ele seja olhado com receio por aqueles que temem a diferença.

Nessa busca para entender o porque o querem morto, nosso herói vai descobrindo que o mundo não é feito de fantasia, que a maldade pode estar onde menos se espera e que a loucura é a religião dos perversos. Entre perseguições, lutas sanguinárias e alusões de amor, nosso herói vai conhecendo pessoas de suma importância para o seu desenvolvimento pessoal e o de sua viagem... brindando-nos com final cheio de mistérios, deixando-nos ávidos para saber o que está por vir.

Eu poderia descrever cada momento de ação que li no livro, poderia contar tudo tintim por tintim, mas vejo cada uma das cenas como pontos importantes para o desenrolar dessa trama inicial, então para não dar 'spoiler', isso é tudo que posso lhes dizer. E garanto... quando vocês souberem quem está atrás dele, ficarão com o queixo tão caído quanto o meu.

O livro é singelo e ao mesmo tempo agressivo. Há pureza e morte impregnados nas páginas dele de forma tão sutil que torna sua trama digna da premissa 'ame ou odeie'. Há aqueles que esperavam mais, mas com toda certeza existem aqueles que sentiram mais... e eu fui uma dessas pessoas.

Recomendaria o livro a todos se o pudesse fazer sem ser ameaçada de morte pelos meus leitores, então deixo a dica, não para quem gosta, mas para quem é um aficionado por fantasia. O livro poderá não te surpreender, mas com certeza irá te levar numa deliciosa aventura que está apenas começando...

Fanart retirada no Google, 
Se conhecer a fonte, deixe nos comentários para que sejam dados os devidos créditos.



♥ O Hobbit ♥ Ed: -,- Editora Martins Fontes
Os hobbits são seres muito pequenos, menores do que os anões. São de boa paz, sua única ambição é uma boa terra lavrada e só gostam de lidar com ferramentas manuais. Este livro tem como personagem central o hobbit Bilbo Bolseiro. Ele vive muito tranquilo até que o mago Gandalf e uma companhia de anões o levam numa expedição para resgatar um tesouro guardado por Smaug, um dragão enorme e perigoso.
O Hobbit

"- Há mais coisas boas em você do que você sabe, filho do gentil Oeste. 
Alguma coragem e alguma sabedoria, misturadas na medida certa. 
Se mais de nós dessem mais valor a comida, bebida e musica do que a tesouros,
o mundo seria mais alegre." 
pág 281


Eu nunca havia lido nada da obra de Tolkien. Tudo o que conhecia era pelos filmes do Senhor dos Anéis, os livros eram, e continuam sendo, muito caros, então acabei postergando minha curiosidade. Na minha época ser apaixonada pelo Legolas era a moda do momento entre as adolescentes, não havia Justin Bibier (bons tempos) só havia nosso belo e heroico elfo das Terras Médias e isso nos bastava. Comigo não era diferente, eu fui uma dessas adolescentes babacas, com poster's do Orlando Bloom na parede do quarto, que ficava histérica com uma chamada na TV. Pois é, eu também sou humana.

Então, quando saiu o primeiro filme de O Hobbit, pensei: 'Caramba Raíssa, 23 anos nas costas e você ainda não leu nada do Tolkien? Temos de remediar isso!' . Mas só fui criar vergonha mesmo na cara depois que assisti Uma Viajem Inesperada, porém ainda estava bem caro o livro, então deixei pra lá. Não sou muito de participar de sorteios na internet, mas resolvi participar de um em uma página no facebook onde eu escolhia um livro de determinado valor, já havia ganhado um outro livro lá, mas essa foi a vez que eu pude escolher e adivinhem... eu escolhi O Hobbit.... rsrs...  e eis-me aqui falando do livro agora.

Demorei pra terminar de ler, mas consegui, tive outras prioridades com parcerias, então acabei deixando de lá, mas agora consegui terminar e vamos lá. Minha meta era ler o livro antes de ir ver o último filme e agora que terminou estou torcendo para o Peter Jackson mude mais coisas, ele já fez algumas inclusões que não estavam no livro, mais para ter mais história, claro, o que pra mim não atrapalhou em nada, porém se o final for igual... vai ter muita gente chorando no cinema e eu serei uma dessas pessoas... rsrs... o final da Batalha dos Cinco Exércitos foi surpreendente e emocionante.

Fiquei encantada com a escrita de Tolkien, por ser um livro escrito para crianças, O Hobbit tem aquela deliciosa pegada de história contata para os filhos antes de dormir, ao menos é assim nessa versão que ganhei com a imagem do primeiro filme, e é impossível não imaginá-lo contando a história pessoalmente para nós. Sem falar na baita lição que esse livro tem para todas as idades. Simplesmente, me encantei e já estou me programando para comprar outros livros do Tolkien

Acho que a maioria de vocês conhece a história pelo filme, mas vamos lá... vou contar um pouquinho dessa divertida aventura...

Bilbo é hobbit, um hobbit respeitável que vive no Bolsão, sob a Colina. Como todo hobbit ele gosta de tranquilidade, um bom fumo para seu cachimbo, boa comida, boa bebida e 'aventura' é uma palavra que não existe em seu dicionário. Porém ele é um hobbit especial, tem o sangue do Tük, uma família conhecida por sua curiosidade e pela bravura, mas Bilbo, não se orgulha disso... quem iria querer sair por terras repletas de orcs, trolls e outras coisas malignas... não... ele preferia o conforto de sua casa.

E é em um belo dia ensolarado, após um farto dejejum, que um velho mago pára diante de sua casa. Bilbo não quer participar de uma aventura, nem deseja ouvir essa palavra e acreditou que Gandalf havia entendido até que em determinada hora, em sua confortável toca aparece um anão, depois um segundo, um terceiro até que 13 são os anões que se fartam e cantam em toca sem que fossem convidados.

Durante essa festa não programada, Bilbo recebe uma proposta. Ser o ladrão oficial na conquista da Montanha dos anões, que está sob o domínio de um dragão. Com toda a certeza Bilbo não está disposto a embarcar nessa aventura, mas algo inesperado o levará a viver aquela que seria a mais terrivel e inesquecível aventura de sua vida.

Ao lado dos anões, ele encontrará elfos, orcs, trolls, wargs, lobos, águias gigantes, aranhas assustadoras e claro, um anel, um anel mágico, capaz de fazê-lo desaparecer. E quanto mais selvagens são as aventuras que eles encontram pelo caminho, menos respeitável se torna nosso Bolseiro e um dos larápios mais honestos começa a surgir.

Recheado de aventuras é incapaz não dar risada com o Bilbo e seus sonhos de conforto e toucinho no café da manhã. Ele não é o personagem mais heroico da história, mas mesmo assim sua presença será de grande importância em vários momentos e mesmo não sendo ele e os anões o responsáveis pela morte do dragão a forma como tudo vai se desenrolar é de uma sutileza sem igual e claro, com um final para essa aventura... simplesmente, surpreendente!

Gostei muitíssimo de ter embarcado nessa aventura antes de ir ao cinema ver como a adaptação vai terminar. Ao contrário de tantos fãs que criticam as diferenças entre livro e filme, uma coisa eu posso dizer... nenhum dos dois deixa a desejar. São duas histórias diferentes, para uma única aventura surpreendente.

Se puder ler esse livro, leia. Se puder ver o filme, veja. Só não deixe de embarcar nessa aventura!!! Porque... "Esta é a história de como um Bolseiro teve uma aventura, e se viu fazendo e dizendo coisas totalmente inesperadas..." - pág 02

O Hobbit



♥ A Viajante do Tempo ♥ Ed: 01 - Saída de Emergência Brasil - Reedição.
Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros. Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir o seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro escocês, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente?

"Eu a desejei desde o primeiro instante que a vi,
mas eu a amei quando você chorou nos meus braços e deixou-me confortá-la,
naquela primeira vez que chegamos ao Castelo de Leoch."
pág. 612

*** Pode conter, ou não, Spoiler's, ponha sua conta em risco ***

* E o prêmio de "O Traseiro Mais Cobiçado das Terras Altas" vai para.... JAIME FRASER! *

Não, você não leu errado... é Jaime Fraser mesmo, porém brincadeiras a parte, porque não tem como não levar esse livro a sério, vou tentar fazer uma resenha sobre ele, que talvez vá me arrumar uma baita dor de cabeça com essas fãs extremistas que esse livro angariou.

Como eu havia falado no #PapodeSexta, o livro era bom e que não tinha muita expectativa de mudar pra algo melhor faltando tão pouco para acabar a leitura e foi batata. Uma leitora, comentou que eu descobriria o motivo do Randall querer tanto pegar o Jaime e até fiquei curiosa, mas que PUTA DECEPÇÃO!! Sério mesmo que era aquilo??? SÓ AQUILO??? Bunda de ouro esse jovem Fraser tem... PQP!!! 

E não venham de 'mimimi' me dizendo que isso é spoiler porque por favor né amiga? Esse é o motivo mais idiota e besta da face da terra pra uma pessoa querer matar a outra. E já estou cismada com o segundo volume. Porque algo me diz que Roma e o traseiro premiado de Jaime Fraser não combinam em nada.

Enfim, ao término do livro fiquei com aquela sensação de 'não acredito que é só isso'. Sério, um livro de 799 páginas, muito bem escritas diga-se de passagem, é um exagero pra esse desenrolar que ao meu ver deixou muito a desejar. Diana Gabaldon, conseguiu me prender na trama, me envolveu com toda a fofura do Jaime, mas nada disso faz do seu livro o melhor do mundo, muito menos digno de ser comparado com a obra de George R. R. Martin como eu já vi gente comparando. JAMAIS, BABY! Ela ainda terá de comer muito arroz com feijão pra fazer metade do que titio Martin faz. 

O.K. momento revolts a parte, pois realmente fiquei muito fula da vida de ver uma comparação tão infeliz quanto essa e ela só aumentou quando eu terminei de ler esse livro. Simplesmente o livro não funcionou pra mim, sério, e sou uma grande entusiasta de viagens no tempo e já li uma boa parcela de livros dentro do tema pra dizer... que A Viajante do Tempo, pra mim, foi uma baita decepção muito bem escrita e nada mais.

Pra ajudar a me animar ainda mais #sqn... o livro é uma série gigantesca, que torço fervorosamente para que melhore no próximo volume que estou para receber.

1. A Viajante do Tempo;
2. A Libélula no Âmbar;  (Lançamento dia 05/11/14)
3. O Resgate no Mar - Parte 1;
3. O Resgate no Mar - Parte 2;
4. Os Tambores de Outono - Parte 1;
4. Os Tambores de Outono - Parte 2;
5. Cruz de Fogo - Parte 1;
5. Cruz de Fogo - Parte 2;
6. Um Sopro de Neve e Cinzas - Parte 1
6. Um Sopro de Neve e Cinzas - Parte 2
7. Ecos do Futuro - Parte 1
7. Ecos do Futuro - Parte 2

Diana consegue te envolver na trama, isso é uma delicia, mas os escorregões históricos são dignos de um reumatismo, sem falar no enredo mais cheio de coisas sem importância que já vi na vida. O.K. é uma obra de ficção fantástica, mas existem certas regras para que a coisa gire dentro das engrenagens sem deixar na nossa cara que aquilo está fora do lugar. Você pode brincar com o que quiser em um mundo a parte, ditar regras, alterar linguística e por aí vai, mas quando você ambienta seu romance em uma parte da história existente no nosso mundo é quase que uma obrigação sua respeitar os costumes e histórias do lugar, ela não faz isso. E não me venha falar que o livro é escrito sob o prisma da Claire, por isso que é todo moderninho, pois isso não convence nem o dedão do meu pé, amigo. No fim da guerra as coisas não eram assim tão século vinte e um quanto a autora descreve, mas enfim.

O inicio da leitura foi moroso, primeiro porque o marido da Claire é um chato de galocha, minha nossa... muitooo pedante. Sabe aqueles caras que respiram o trabalho? Vivem o trabalho e a mulher que se vire andando atrás dele? Esse é o Frank... e quando ficou aquela enrolação inútil (tem muito disso nesse livro) já estava me perguntando quando é que essa mulher ia cair na Escócia do século dezoito porque minha paciência com o marido dela já estava terminando.

Tudo me levava a abandonar a leitura, sério, mas persisti, tenho um compromisso com a editora e não poderia simplesmente criar um ponto de vista sem nem ao menos ler a metade do livro e por enquanto a escrita estava me envolvendo, então fui lendo a ferro e fogo tentando engolir o marido da Claire, recitando o mantra de que o Jaime Fraser valeria o esforço... até que enfim, ela despertou na Escócia e me vi pela primeira vez encantada com o que estava por vir.

Sim, Jaime Fraser compensou cada segundo de enfado que tive e terminou por aí. 

Se paramos para analisar estaremos lendo essa série por causa dele, porque a Claire faz cada burrice que nossa... que dá muita raiva! Como a parte em que ela tenta fugir, depois de casada, e cai no rio indo direto pras mãos do déspota do Randal  (não o marido, mas o ancestral) e o Jaime tem de ir lá resgatar ela... tipo... ela ta num covil de ingleses, onde o rapaz está com a cabeça a prêmio e ela me faz essa... nossa... muita burrice, achei que apanhou pouco depois. Fiquei uma semana sem pegar o livro depois que li isso de tanta raiva que fiquei, a burrice dela sempre leva todo mundo, principalmente o lindo do Jaime, a ser açoitado, quebrado, espancado ou coisas do tipo... se ela o ama, caramba, o que ela fez por ele no final do livro foi muito pouco diante da enormidade de burrices que ela fez e ferrou com o rapaz.

O livro começa quando Claire e Frank viajam para a Escócia após anos separados pela guerra. Frank é historiador e busca sinais de seus antepassados nas Terras Altas e como precisam de um tempo para tornarem a conviver como marido e mulher novamente, decidem fazer da viajem a lua de mel deles. Claire ama Frank, mas eles sabem que nada será como era antes da guerra... enquanto buscam conhecer os mistérios do passado escocês de Frank, Claire acaba tendo contato com uma das bruxas da cidade que lhe lê a mão... sem acreditar na magia ela e Frank se aventuram até uma formação megalítica para presenciar um ritual pagão. Após retornarem a pensão onde estão hospedados, Claire decide retornar sozinha ao local para buscar uma flor, ela estuda os poderes medicinais das ervas e gostaria muito de estudar aquela planta. Chegando ao local ela ouve ao longe sons de batalha que vão ficando cada vez mais altos, até que um grito a atrai até uma determinada pedra que ao tocá-la faz com que nossa mocinha desfaleça.

Ao despertar Claire, continua ouvindo o tal som de batalha e de inicio acredita estar em algum set de filmagem, mas os tiros parecem bem reais... fugindo do campo de batalha ela cai e encontra, Black Jack Randall, um homem perverso que tem a mesma aparência de Frank, seu amado marido. Achando que o homem era seu marido ela se aproxima e acaba refém do homem que acredita que ela é uma prostituta.

Resgatada das mãos de Randall, ela se vê dentro de uma cabana repleta de escoceses mal encarados. É tão óbvio que ela se encontra em algum lugar no passado, que ela fala seu nome de solteira a Dougal, o líder do grupo. Ninguém acredita na mentira que ela conta e todos acham que ela é um espiã inglesa, e a tratam com suspeita, ao menos até que ela recoloque o braço do jovem Jaime e cuide de seus ferimentos. Sendo espiã ou não, ao menos ela era uma boa enfermeira, então a levam como refém para o castelo de Leoch, onde ela toma para si a responsabilidade de cuidar dos enfermos do lugar. Todos a tratam muito bem, mas há sempre aquela dúvida sobre quem ela é de verdade. Claire acredita que se voltar ao monumento megalítico poderá voltar para Frank, mas as coisas não serão nada fáceis para ela.

Entre indas e vindas, festas, banquetes e conversas simpáticas com o carismático Jamie, ela acaba envolvida no dia a dia daquele lugar e daquelas pessoas e em uma viagem regular de cobrança de impostos ela vai participando do meio politico do país e saber que aqueles homens, a quem aprendera, a admirar e respeitar não iriam ganhar aquela batalha a consumia. Sim, ela tinha de ir embora... mas como?

Após uma reunião com Randall, Dougal está determinado a casá-la com o jovem Jaime. Sim, ela gostava do rapaz, ele era bonito e simpático, porém ela ainda era casada e fiel aos votos que fizera a Frank, mesmo que ali naquela época ela fosse apenas uma viúva estrangeira. Ela tem vinte e sete anos, sabe que Jaime é um rapaz de vinte e três, e não quer destruir a vida do rapaz, porém ele a quer... está determinado a casar com ela. Jaime é apenas um escocês sem nada, mesmo que seu clã tenha posses, como um fugitivo, ele não tem direito a nada, apenas a servidão no castelo de seu tio que teme que ele venha a governar Leoch um dia, então o casamento com uma estrangeira é muito conveniente a todos eles.

Enfim, os dias vão passando... a guerra está cada vez mais eminente e quanto mais Claire fica naquele lugar, mais envolvida ela fica com o povo, com sua história, com sua força e coragem, e claro, cada vez mais apaixonada pelo belo e bravo, Jaime Fraser... seu brutamontes preferido... rsrs

Então, entre idas e vindas, fugas, surras e estupros nossa trama vai se desenrolando. Se a autora tivesse nos poupado de grande parte de uma enrolação sem fim, a leitura do livro seria mais rápida e mais dinâmica, mesmo que no fim o desfecho não fosse lá essas coisas... acredito que o povo teria menos medo de pegar o livro pra ler.

Pra mim A Viajante do Tempo é um livro bom, a leitura foi gostosa, envolvente, o Jaime é um ser em perfeição, que diz coisas perfeitas e um personagem muito carismático, mas o livro valeu a distração e termina por aí.

Há muitas rebarbas nesse livro para ele ser chamado de ótimo, quem dirá excelente como ando lendo por aí. Todos os motivos do desenrolar ao meu ver foram fracos, mas gosto não se discute e provavelmente o povo que superestima esse livro nunca leu nada além desse livro na temática para conseguir avaliar um livro de viagem no tempo realmente excelente.

Bem... poupem-me do mimimi... e nem percam tempo argumentando! Essa é minha opinião, então aprendam a viver com ela... rsrs... Vou ler o segundo livro, então ainda há esperanças de que meu ponto de vista possa mudar, mesmo que eu ache isso pouco provável... enfim... que venha A Libélula no Âmbar.


book cover of 

Cross Stitch 

Nas Asas do Tempo



♥ Enfeitiçados pelo Desejo ♥ Ed: 01 - LeYa Quinta Essência
Quando magia e desejo se unem, tudo pode acontecer. Max, um poderoso feiticeiro. Victoria, uma bruxa selvagem capaz de se transformar. Ele deve caçá-la e submetê-la a seus desejos antes de entregá-la ao Conselho Superior dos Feiticeiros, mas algo impensável o obriga a mudar de planos. Uma ligação inesperada faz com que desenvolvam um poderoso vínculo, ainda que Max ignore a força dos poderes de Victoria. Juntos devem enfrentar o perigoso Triunvirato, três irmãos responsáveis pelo desaparecimento de um antigo amor de Victoria. Em Enfeitiçados pelo desejo, a luta contra a magia negra se mistura à crise que as responsabilidades de Max como Caçador e a submissão involuntária de Victoria geram para o relacionamento. Serão as forças do mal mais poderosas do que um grande amor? Sylvia Day, autora best-seller do The New York Times, está de volta com um romance original que mistura fantasia e paixão para contar a história de dois poderosos feiticeiros que lutam por sua sobrevivência unidos por um intenso e profundo sentimento.

Enfeitiçados Pelo Desejo
Este livro não é recomendado para menores de 18 anos.

"Como ele poderia ir embora? Ela sacrificou a vida que havia 
construído para si mesma para se reinserir na dele.
ele faria o mesmo por ela. Ele precisava fazer o mesmo por ela."
pág. 43


Quem me conhece sabe que tenho sérios problemas com livros eróticos que seguem a linha sadomasoquista. Simplesmente, não consigo ver nada de legal ou excitante naquilo... é sério, pra mim parece mais algum distúrbio mental ou coisa do tipo, mas tudo bem cada um com seu gosto. Quando eu sei do que se trata já nem pego pra ler, porém eu não sabia que Enfeitiçados pelo Desejo seguia essa linha, na verdade nem li a sinopse, e mesmo que houvesse lido a que vem no livro, ela não é lá grande coisa para poder revelar algo que seja realmente relevante para os leitores. Então a culpa foi minha e do meu fanatismo pelos livros livros Sylvia.

Confesso que a Sylvia não exagerou muito na coisa sado, mas teve uma parte realmente incomoda que acabei pulando porque pra mim já tinha sido demais. Westin é um deus do sexo... e obviamente nem eu resistiria a ser possuída por ele de mãos atadas todas as vezes que ele quisesse, mas o exagero disso no livro acabou dando a ele um ar egoísta que acabou estragando o brilho da coisa e embaçando um pouco a história de amor. Tudo bem ele ser dominador e tudo o mais, mas a Victoria não tinha outra alternativa, ou era do jeito dele ou era de jeito nenhum.

Não vou ser hipócrita em dizer que não gostei do livro, gostei bastante da mitologia criada e de certa forma o sadomasoquismo foi justificado pela hierarquia e leis do mundo mágico criado. Ao contrario de outros livros da temática, cujo sexo doente é gratuito, para os protagonistas dessa trama dominar e se submeter é quase que impossível é uma lei.

Victória é uma Familiar, um ser mágico inferior, cujos poderes estão ligados a transmutação do corpo para a aparência de animais domésticos, que foi criada para um único fim, se submeter e agradar ao feiticeiro a quem for destinada pelo Conselho. Há muitos séculos atrás ela foi dada a Darius, um poderoso bruxo destinado ao Conselho que desistiu de tudo para viver esse amor ao lado dela, como punição eles eram enviados para as missões mais perigosas e em uma dessas Darius morreu, deixando para Victória todo o poder que tinha... desde então Vicky vive por conta própria o que é um problema para o Conselho, já que ela é uma simples Familiar com grande poder, sem ninguém para domá-la pode se tornar uma arma mortífera nas mãos erradas.

Séculos se passaram e Victória faz de tudo para provocar o Conselho, ela quer vingar a morte de Darius, porém eles não conseguem encaminhar ninguém forte o suficiente para colocá-la em seu lugar e dominá-la. Com a paciência se esgotando, o Conselho invoca a presença de Max Westin, um poderoso bruxo Caçador e o imbui da missão de matar Victória ou trazê-la de volta ao convívio para que possam entregá-la a um bruxo poderoso capaz de mantê-la sob suas rédeas.

Westin tem um prazo a cumprir e não está disposto a matar sua bela gatinha. Enquanto o jogo de sedução entre eles vai crescendo, nossos protagonistas descobrem que uma mágica ligação os torna muito fortes. Uma troca de poderes, como se almas gêmeas houvessem enfim se encontrado e dividiam entre si não apenas os desejos da carna, mas também todos os poderes que eram capazes de gerar quando estavam juntos. Max, não consegue imaginar nenhum outro homem tocando o corpo de Victória e quando enfim ele consegue domá-la e trazê-la para sob seu domínio não está disposto a entregá-la a outro homem... ela era sua! Totalmente sua... de corpo, alma e coração.

Tudo que Victória queria era vingança e sem nem ao menos pedir, Max estava disposto a dá-la para ela se ela aceitasse viver ao lado dele em plena submissão. Ela não quer perdê-lo não vê mais necessidade alguma na vingança, mas ele quer... e isso poderá custar muito caro.

No limiar entre a magia cinza e a negra, dois anos se passarão até que um novo inimigo surge para abalar esse casal. Dois Outros (bruxos imaculados pela magia negra), fogem da prisão do Conselho e essa missão está nas mãos do homem que os havia prendido. Porém esse novo inimigo sabe onde é o ponto fraco de Westin e esse mesmo ponto consequentemente também é seu ponto forte...

Victória será usada contra ele e apenas o amor que sentem um pelo outro poderá retirar as vendas de ambos para que possam enfim vencer esse novo mal. Mesmo que isso faça com que ambos se tornem a escória da Comunidade Mágica, nada disso importará... desde que possam ficar juntos para toda a eternidade.

De todos os livros que li até agora da Sylvia, não li muitos, mas os que já li até aqui... de todos eles com toda certeza Enfeitiçados pelo Desejo é o mais depravado de todos. Sexo é a força motriz da magia dos mocinhos, assim como o amor que sentem um pelo outro.

Como disse, gostei muito da mistica criada, mesmo que o ponto do masoquismo tenham me desagradado não foi exacerbado e a leitura fluiu bem. Li em um dia, é um livro bem curtinho... demorei mais pois tinha de fazer algumas coisas em casa, se não tivesse nada pra fazer teria terminado antes. E mesmo não sendo o melhor livro que já li da autora, na minha opinião, esse é um bom livro... principalmente para quem curte enredos sobrenaturais e sadomasoquismo. Se você se enquadra nesse perfil, vai gostar bastante, pois Victória e Westin tem uma química incrível na cama, são dois caçadores se devorando na cama.

book cover of 

Spellbound 

Feitiço




♥ Para Sempre Sua ♥ - Ed: 01 - Paralela
A partir do momento que conheci Gideon Cross, vi nele algo que precisava. Algo que não podia resistir. Eu vi a alma perigosa e danificada — muito parecida com a minha. Eu estava atraída por isso. Eu precisava dele, tanto quanto precisava que meu coração batesse. Ninguém sabe o quanto ele arriscou por mim. O quanto fui ameaçada, ou quão sombria e desesperada a sombra de nosso passado se tornaria. Entrelaçados por nossos segredos, nós tentamos desafiar as probabilidades. Nós fizemos nossas próprias regras e nos rendemos completamente ao poder requintado da posse…

Para Sempre Sua
Esse livro não é recomendado para menores de 18 anos.

" - Onde quer que você vá, não importa a distância,
eu vou estar sempre ao seu lado." - Gideon
pág. 141

Já deu para notar que meu final de semana foi movimentado, não? Raramente tenho esses ataques e acabo lendo muitas coisas num final de semana só, mas não vou mentir, está no meu Instagram pra quem quiser ver que eu acabei abandonando essa leitura descaradamente algum tempo atrás e vou explicar porque. 

Assim que abriu a pré-venda do quarto volume da série (Somente Sua) me animei muitíssimo em por em dia minha leitura dessa série que eu amo alucinadamente pra poder comprar o lançamento, mas algo aconteceu na minha vida pessoal amorosa (não que eu tenha uma muito ativa), mas na época ela estava um pouquinho agitada e uma notícia desastrosa me fez largar a leitura. Era inevitável fazer comparações entre o Gideon e a pessoa que estava comigo no momento... enfim... sonhos de leitora certo? Como estava beeem chateada com a tal pessoa, resolvi largar a leitura, não por estar ruim, ao contrário... eu adorei, mas larguei porque a leitura me fazia pensar em alguém que não estava muito afim de ter na minha cabeça no momento. ** Não queria macular a imagem de Gideon Cross com um babaca qualquer né? Um sacrilégio isso**

Enfim, agora que minha vida amorosa voltou a ser o que era antes **nada** resolvi retomar a leitura e me deliciei com cada página e não seria novidade nenhuma, já que Sylvia Day é minha diva total dos romances eróticos.

Acredito que não seja mais novidade para ninguém o fato de que Sylvia Day transformou uma trilogia erótica em cinco livrinhos. Não vou reclamar, adoro a forma como ela escreve e não me senti nem um pouco decepcionada em saber que os problemas de Gideon ainda não foram solucionados e pelo tamanho da problemada acho que ela realmente não daria conta de resolver tudo em um único livro.

Comprei esse livro na pré-venda, fiquei tão louca com o livro anterior (resenha aqui) que não resisti, assim que ele chegou fiquei namorando ele na estante, mas preferi não pegar ainda, fiquei com uma baita ressaca do livro anterior e não queria estragar toda aquela magica que encontrei em Profundamente Sua. O tempo foi passando e resenhas e mais resenhas foram saindo do livro e eu fiquei cada vez mais temerosa de pegar o livro para ler e estragar a magia do anterior, mas eu precisava ler e tirar minhas próprias conclusões, não é mesmo? E foi o que eu fiz...

Não sei se é pelo fato de ser uma fã doente do trabalho da Sylvia, mas ao terminar o livro simplesmente pensei que tudo o que eu li foi deveras exacerbado ao meu ver. Ok, o povo estava chateado com o fato de que a trilogia havia virado uma série/saga, mas caramba!! Vi gente falando até que a Sylvia deixou a desejar nesse enredo e não vi nada disso.

*** Podem rolar spoiler's do livro anterior nos parágrafos abaixo, ou não ***

Com o resultado do livro anterior estava na cara que o Gideon poderia ser preso, eu já estava imaginando o final de Para Sempre Sua com ele saindo algemado da igreja, com uma Eva chorosa, vestida com caríssimo vestido Chanel e gravidíssima do nosso garanhão milionário. Porém nada disso aconteceu.

Gideon pode ter sido um filho da puta no livro anterior, mas realmente o gato se superou. O desenrolar da trama, ao contrário do que todos falaram, me pareceu normal... obviamente as coisas já não tem tantos emaranhados. Eles estão desatando seus nós e se libertando de seus passados, um ajudando o outro, então acho meio ilógico a autora ter de seguir um padrão porque seus leitores, simplesmente não conseguem acompanhar o amadurecimento do relacionamento do casal. Mas tudo bem, nem todo mundo é capaz de usar os dois lados do cérebro né?

Obviamente, este não é o melhor livro da série. Na minha opinião o melhor livro é o segundo, sem discussão, mas acho que o povo realmente exagerou e muito no que falou do livro. Depois do assassinato de Nathan, eles não podiam simplesmente retomar tudo numa boa como se o Gideon não fosse o principal suspeito do caso... então achei óbvio todo o plano bolado pela autora. Claro, que além desse problema ainda existe um chamado Brett Vocalista Sexy Falastrão expondo a intimidade do relacionamento que teve com Eva e outro chamado Corinne Surtada completamente histérica simplesmente esfregando a perereca na cara do Gideon.

Como se não bastassem as duas cabeças perturbadas do Gideon e da Eva, atrelado a esses problemas, e o sexo quente... temos o problema de que o pai de Eva descobriu sobre os abusos sofridos pela filha e outros tantos problemas são agregados a tudo isso. Aí tudo isso está acontecendo ao mesmo tempo e o Gideon tem uma brilhante ideia... Adivinhem?? CASAR!!! Sim, a Eva exagerou um pouquinho no c* doce, mas de certa forma ela tava certa... os dois ainda nem conseguem dormir na mesma cama sem que acordem um estrangulando o outro, realmente está cedo... e claro (nossa como eu falo isso) o foco deste terceiro livro é a retomada do relacionamento, como a autora já havia anunciado mais dois livros era meio óbvio que algo ia ficar pendente e meus deuses me dizem que essa série não vai parar no volume cinco, não viu?

Enfim... falei... falei... e não falei nada **acho** . Vou tentar por tudo o que disse anteriormente num contexto menos insano para vocês.

Nathan, o filho do ex-padrasto e estuprador da Eva resolveu aparecer em Nova York, ninguém sabia disso e tal até que ele resolveu dar as caras pra chantagear o Gideon e acabou sendo brutalmente assassinado. Eva, sabe que foi Gideon o assassino, a própria investigadora desconfiava dele, mas não tinham como provar a verdade, ela ao mesmo tempo se sente assustada, mas perdidamente apaixonada por ele. Ele não a havia abandonado por nada... ele a estava protegendo e arrumando uma forma de apagar da face da terra aquele que fizera tanto mal a ela. Eva não se importa nem um pouco com isso e retoma a efervescente relação que eles tem, mas por enquanto tudo isso tem de ser em segredo. Durante esse momento quente de reconciliação ambos descobrem que a mãe de Eva vinha monitorando todos os seus passos, se não bastasse a invasão materna com o assassinato de Nathan o processo sobre o abuso sexual é tirado da gaveta e o pai de Eva descobre algo que nunca chegou até o seu entendimento. Ela não quer falar sobre isso, mas tem de lidar com o pai, tem de se explicar.

Quando enfim, fica confirmado que alguém da máfia russa havia matado Nathan é hora de mostrar a todo mundo que a relação deles era mais forte que tudo e decidem retomar, justamente no dia da estréia do clipe da música que Brett fez para Eva. Gideon está disposto a mostrar a todo mundo que está com Eva novamente... só que nada sai como o esperado. Corinne continua louca atrás do Gideon e não importa o quanto ele a afaste ela arruma um jeito de colar, pra ajudar tem Deanna, uma jornalista ávida por vingança... ela quer destruir Cross e fará de tudo para conseguir o que quer, ou ao menos tentar.

O casal então decide morar juntos, mesmo com todos esses ex orbitando a volta dos dois, eles confiam no amor que dividem e, apesar de todo o ciume, conseguem ir relevando muitas coisas e vendo que o amor deles está nas pequenas coisas, pequenos gestos e em sinceras palavras. Gideon continua calado e distante, mas Eva não duvida do seu amor, até mesmo quando tudo parece perdido.

Então, em uma praia paradisíaca no Caribe, quando Eva acredita que Gideon iria terminar tudo.. é que vem a grande surpresa. O pedido oficial de casamento e não é pedido qualquer, ela tem até a manhã seguinte para aceitar e se entregar para sempre ao homem a quem ama. Um casamento lindo íntimo, perfeito... era tudo que eles precisavam para selar aquele amor.

Porém os problemas ainda os aguardavam e muitos ainda os aguardam. Acho que o problema Corinne foi parcialmente acalmado, mas terei de ler o próximo volume para saber e ele já está na minha listinha de Natal... rsrs...

Acho que depois de tudo que eu falei (e falei bastante não?), já deu pra perceber que gostei bastante do livro. Estou com muitas perguntas em mente e curiosissima com a continuação. Que D. Sylvia não demore muito para lançar o quinto, e provavel, ultimo volume dessa história de amor... acho que para esses dois já tá bom de sofrimento... vamos ver.

Nem vou falar que recomendo o livro... todos sabem que amo essa série (estou sendo repetitiva), então... Se você ainda não leu e está curioso... é uma boa pedida cair nessa quente intriga. Porque não é fácil ser a mulher do homem mais lindo, poderoso e complicado de Nova York.

book cover of 

Entwined With You 

Envolvida



♥ Sete Dias Sem Fim ♥ Ed: 02 - Editora Arqueiro
Judd Foxman pode reclamar de tudo na vida, menos de tédio. Em questão de dias, ele descobriu que a esposa o traía com seu chefe, viu seu casamento ruir e perdeu o emprego. Para completar, seu pai teve a brilhante ideia de morrer. Embora essa seja uma notícia triste, terrível mesmo é seu último desejo: que a família se reúna e cumpra sete dias de luto, seguindo os preceitos da religião judaica. Então os quatro irmãos, que moram em diversos cantos do país, se juntam à mãe na casa onde cresceram para se submeter a essa cruel tortura. Para quem aprendeu a vida inteira a reprimir as emoções, um convívio tão longo pode ser enlouquecedor. Com seu desfile de incidentes inusitados e tragicômicos, Sete dias sem fim é o livro mais bem-sucedido de Jonathan Tropper. Uma história hilária e emocionante sobre amor, casamento, divórcio, família e os laços que nos unem – quer gostemos ou não.

"Achamos que temos todo o tempo do mundo, 
e então nosso pai morre. Achamos que estamos muito bem casados, 
e então nossa mulher vai pra cama com nosso chefe.
Achamos que nosso irmão é um babaca, 
mas então descobrimos que na verdade os babacas somos nós."
pág. 242


Pedi esse livro em parceria com a Editora Arqueiro em setembro pelo simples fato de que ao ler sua sinopse já imaginei a bagunça que ia ser isso. Infelizmente, o correio extraviou meu pedido e como já expliquei, só agora pude ter na mão todos os exemplares que pedi e não vieram.

Confesso que li resenhas exacerbadamente positivas quanto ao livro e como todas as minhas expectativas estavam na comédia do livro, então não tive decepções que pudessem me fazer desgostar do livro, mas também o que li não me fez cair de amores como se esse fosse o melhor livro do mundo. O livro é ótimo, realmente muito bom. Toda a moral da história e o desenrolar de tudo foi muito interessante e acho que foi por essa razão que gostei bastante do livro, sem me apaixonar por ele. Aprendi muitas coisas, não posso negar.

Jonathan Tropper, nos narra a história de Judd Foxman um romântico homem de trinta e seis anos que acaba de pegar a mulher na cama com seu chefe e logo depois perde o pai.  Judd não é um mocinho politicamente correto, pelos quais muitos leitores buscam em suas leituras. É apenas um cara rumando para os quarenta anos, desempregado, que não se acha bonito, que já está perdendo o brilho da juventude e que ama desesperadamente uma mulher que o abandona. Ele tem muitos problemas com a família também. Isso te lembra alguém? Qualquer semelhança é mera coincidência... ou não.

A família de Judd é completamente desunida, seu irmão mais velho o odeia e ele nem sabe direito o porque, mesmo desconfiando que um acidente do passado e o fato dele ter tirado a virgindade da esposa do irmão já sejam motivos suficientes para que Paul o despreze. Ele também tem uma irmã Wendy, casada com três filhos que ainda é apaixonada pelo ex-namorado que coincidentemente é vizinho dos seus pais. E tem Phillip, o caçula, o irmão comedor, que ninguém sabe o que faz, nem por onde anda... apenas que da última vez que o viram ele havia sido preso por cultivar maconha.

Ah! E já ia me esquecendo de Hillary, a mãe dessa cambada. Uma psicoterapeuta sessentona,  famosa por seus livros sobre como criar os filhos, siliconada que se veste como uma menina de vinte, fala abertamente sobre sexo com os filhos e decide revelar a todos que tem um caso com sua melhor amiga e vizinha.

Uma loucura não? Agora junta esse povo todo, durante sete dias em uma casa... morte na certa! Ou quase isso. A forma como o autor vai nos revelando cada um dos personagens sob o prisma de Judd faz com que caiamos na risada e o sarcasmo é palpável.

Logo na primeira página, Judd, recebe a notícia sobre a morte de seu pai. Ele está mal, há poucas semanas ele havia retornado para casa e pego sua amada e idolatrada Jen na cama com o cretino do seu chefe. Está perdido, mergulhado em ódio, rancor e alto piedade quando recebe a noticia de que seu pai havia morrido e ao que parece subitamente resolvera se tornar devoto de um Deus que passara muitos anos de sua vida fingindo nem acreditar. ** Confesso que a parte da auto piedade estava me dando nos nervos e pulei ela **

Ele está de partida para o enterro do pai quando Jen o procura para contar que está grávida. Eles havia perdido um filho algum tempo antes e saber que ela havia engravidado do chefe dele e que ambos tinham um caso a mais de um ano fizeram que com Judd ficasse um tanto quanto amargo e rancoroso. Seus instintos animalescos estão aflorados tudo que ele quer é matar todo mundo a sua frente e ter de agir como um cara normal no enterro do pai chega ser um tanto quanto cômico para ele.

Segundo o rabino, era de vontade do falecido que a família realizasse o Shivá, um ritual de luto judeu em que a família do morto passa sete dias, praticamente sentados ao chão, recebendo as condolências de amigos e vizinhos. E passar sete dias na casa em que fora criado com os irmãos que não se davam e com a mãe excêntrica não estava nos planos de Judd, mas aquela fora a vontade de seu pai, então todos a cumpririam.

Durante esses sete dias de convivência todos tem de aprender a se aturar e Judd tem de arrumar uma forma de descobrir como lidar com a sua vida agora que seu casamento havia acabado. Ele acaba reencontrando ex-namoradas e reencontrando velhos sentimentos. Ele sabe que passou a vida inteira fugindo de Wendy, seu grande amor da adolescência e saber que ela estaria esperando por ele era um alívio, pois pra quem acreditava não ter mais nenhum motivo para viver... ele descobrira que tinha outros tantos motivos para se reencontrar e retornar a viver.

Muita gente achou o Judd um banana e eu também achei, mas a forma como ele lidou com o fato de descobrir que a esposa estava grávida dele, pois o chefe não podia engravidar ninguém... foi interessante. Até mesmo a forma como lidou com sua ex e tudo o mais. Sim, ele é apaixonado pela esposa, mas a confiança fora ruída, o perdão era certo, mas ele não podia simplesmente voltar e fingir que eram uma família feliz. Aquele tempo entre os irmãos mostrou a ele o quanto ele amava aqueles caras e o quanto ele se afastara de todos eles com o passar dos anos. Por mais maluco que tudo possa parecer, por mais surreal que possa ser Sete Dias Sem Fim, é a verdade nua e crua do ser humano, não devemos acreditar que as coisas só acontecem com as outras pessoas... elas podem acontecer com qualquer um. E aí e está o Judd para mostrar a você que a vida é uma confusão independente de quem seja.

Seus medos, suas dúvidas suas atitudes... tudo foi válido. Ele teve todos esses momentos e medos dele e muitos ainda residem ali, mas ele aprendeu que o que já passou não tem mais volta e como o próprio Judd mesmo falou: "- O passado é um prelúdio e o futuro, um buraco negro. (...) Tudo pode acontecer."

Leia esse livro sem a cegueira da hipocrisia e você descobrirá muitas lições nele. Basta querer ver e elas estarão lá. Talvez seus medos sejam os mesmo do Judd, as circunstâncias podem ser idênticas ou adversas, mas uma coisa ou outra você vai encontrar e entre elas algumas boas risadas para amenizar.

Vale muito a pena ler esse livro e brevemente voltarei para falar do filme com vocês.


book cover of 

This Is Where I Leave You
Este livro não fui publicado em Portugal ainda.


♥ O Túnel do Tempo ♥ Ed: 02 - Modo Editora Tradicional
Para reencontrar seu grande amor, Klaus, Clarice deveria antes, apaixonar-se por Enzo, um francês incomum que lia pensamentos e conversava com seres invisíveis. Tudo acontece entre a paixão sórdida por Enzo em 2012, e o amor torrencial por Klaus, nos anos loucos glamourosos de 1920. Um romance sedutor com foco no sobrenatural, que viaja pelo tempo, deixando marcas profundas em quem se permitir ser conduzido para dentro da trama.

"Eu sou o nada e ninguém. Sou a única pessoa do mundo que vive do que se passou em um coma,
sem identidade, sem família, sem planos. Tudo que senti foi em vão.
Eu não sei no que acreditar e para onde ir."
pág. 97


Quem me acompanhou na resenha anterior (aqui) sabe que eu tenho muitos problemas com a personagem principal desta série, a Clarice. E confesso que tem de ser muito amor mesmo, por parte do Klaus, pra fazer essa porta que é a Clarice parar de olhar no próprio umbigo, mas enfim.... até que ela não foi tão insuportável nesse último volume da série.

Falei algo no meu perfil pessoal no Facebook que gerou certo mimimi desnecessário quanto a um suposto spoiler sobre a trama, mas vai me desculpar... se você leu O Voo da Estirpe e tem um cérebro, vai ter a mesma certeza que eu tive quanto a identidade do Klaus e do Enzo. Vai me desculpar, mais uma vez, mas em um livro que o tema central é lidar com vidas passadas... é claro, e óbvio... que um mais um, nessa trama é um (eu sei que é dois, raciocine com o tema de reencarnação). Desde o livro anterior eu soube, no momento em que o Klaus falou para a Clarice procurar o Enzo, que ambos eram a mesma pessoa. Então, polpem-me dos mimimi's, são desnecessários, pois a obviedade do fato está na cara, se você não viu... só lamento! **beijinho no ombro, pro seu recalque passar longe**

Eu ganhei o livro da autora quando tive o prazer de conhecê-la na Bienal em São Paulo e fiquei bem animada em saber o que ia acontecer, mesmo eu tendo odiado a Clarice, ela quis saber meu ponto de vista sobre a continuação e cá estou eu... rsrs... O livro é incrível e digo isso, não pelos personagens, nem pela trama (que nem faz meu estilo, não gosto muito dessa vertente espiritualista), mas pela forma como a Adriana  te prende a trama. Fico tão triste quando vejo erros de revisão nos livros dela, pois ela consegue me envolver na trama e alguns errinhos sempre acabam acabando com a magia e tal, mas ela está revisando novamente e espero que esses furos sejam resolvidos pelo revisor de agora.

O livro trata de vidas passadas, mas pode ser lido por quem não gosta de livros com temática espírita. O livro é voltado para a fantasia e viagem no tempo. No anterior tivemos uma experiência de quase morte e nesse encontraremos os mistérios de vidas passadas relacionadas ao coma de Clarie, que é onde tudo realmente começa a tomar um rumo diferente, para entender o que eu irei dizer leia a resenha anterior aqui.

Após lidar com sua conflituosa e perturbada cabeça, Clarice desperta do coma um ano após seu atropelamento. Sem entender ao certo o que foi real ou a sua imaginação durante o coma, ela descobre que Enzo, seu aluno, era a pessoa que havia cuidado de tudo enquanto ela estava perdida em sua mente ansiando a morte.

A única certeza que ela tem é o amor que sente por Klaus... decidida a buscar por seu amor em 2012, ela decide procurar por endereços que ela consegue se lembrar. Enquanto tenta desvendar o que ocorreu em sua mente, ela tem de lidar com Enzo, que ela acredita ser esquizofrênico e aos poucos começa a conquistar seu coração.

Clarice ainda tem seus problemas internos e continua não olhando ao redor do mundo, fazendo de seus problemas e sua existência uma redoma de problemas que ela acha imbatível, jogando sempre suas agruras nas costas de Enzo e a solução de seus problemas em Klaus.

Enzo insiste para que ela vá a um local sagrado, onde ela pode encontrar as respostas que quer, porém ela não acredita que seu problema possa ser espiritual ou de uma vida passada e o coitado vai penar até conseguir fazê-la ir ao tal local. Quando enfim, quase louca por conta das lembranças guardadas na casa em que ela e Enzo vivem juntos, ela se deixa conduzir ao local sagrado e aceita cumprir uma determinada missão. De volta aos anos 1920, Clarice tem de salvar a vida de Klaus e decidir se ficará ou se retornará para os braços de Enzo. Tudo está nas mãos dela... a decisão que ela fizer definirá o seu futuro e, claro, definir se seu amor continuará a existir para todo o sempre.

Gostei muito do desenrolar da trama e minha curiosidade fazia com que a leitura fosse rápida. Continuo não caindo de amores pela Clarice, mas o desfecho da trama foi simplesmente delicioso. Gostei mesmo, a Adriana conseguiu me envolver nessa trama mesmo que eu não suporte sua mocinha... e isso... é um espanto... rsrs... sem falar na grande quantidade de quotes interessantes que te fazem refletir sobre muitas coisas, não apenas sobre o amor, mas sobre sua posição diante dele.

Se querem ler algo diferente caiam nessa leitura... é uma viagem certa e literal!

Compre este e outros livros nacionais: aqui